Aprenda como e quando dar banho no seu cão ou gato

Publicado em: 06/07/2014 | Categoria: Dicas Pets

Banhos, quantos??

Antes de tudo, é importante dizer que cachorro tem cheiro de cachorro e gato tem cheiro de gato e isso não é considerado fedor. Bicho fedido é aquele que rolou na carniça, que nadou num rio enlameado, que está obviamente sujo. Você cheira sabonete o dia todo?

 

Para eu poder criticar ou indicar banhos é necessário uma breve e generalizada explicação de como é a pele dos animais. De uma forma geral a pele dos cães e gatos é mais sensível do que a nossa, pelo simples fato de ser bem mais fina. E por ser mais delgada, ela precisa de maior proteção. Proteção essa, feita por pelos e glândulas sebáceas, encontrados por toda a extensão tegumentar. Quando damos banho em excesso, retiramos essa oleosidade natural e necessária da pele dos animais, com isso temos duas consequências completamente distintas: a primeira é a hipersecreção glandular, que como autodefesa contra o ressecamento, a glândula começa a produzir maior quantidade de secreção, com isso a pele e o pelo do seu animal ficarão excessivamente oleosa e mais fétida, virando um ciclo vicioso.

A outra consequência é o ressecamento propriamente dito, de tanto banhá-lo não há tempo da secreção exercer seu papel, portanto a pele fica sem a tão necessária proteção do sebo. Independente de qual consequência ocorra as duas podem causar problemas. Qualquer alteração na fisiologia da pele predispõe a inúmeras patologias.

 

Banhos são necessários, porém sem exagero.

A minha indicação são banhos mensais, e no máximo quinzenais. Alguns dizem que cães de pelos longos (York Shire, Maltês, Lhasa Apso) necessitam de banhos semanais, eu não concordo, se você escová-lo todos os dias e mantiver a tosa higiênica em dia, não formará nós e não ficará cheiro desagradável de urina ou fezes nos pelos. Raças que aparentemente soltam muito pelo (Labrador, Rottweiler) é possível, com o uso de uma rasqueadeira, a retirada desses pelos mortos. Se você realmente não gosta do cheiro do seu animal, uma saída é o uso do banho seco e colônias entre os banhos, esses sim podem ser usados diariamente, sem molhar. O importante é que os banhos sejam dados por profissionais. Por mais que tentemos, não conseguimos secá-los por completo, e a ínfima umidade que permanece é um verdadeiro convite para fungos e bactérias. Pesquise os estabelecimentos de banho e tosa da sua cidade, converse com o profissional responsável, procure quem te passe maior confiabilidade e o deixe cuidar da higiene do seu peludo. Afinal, ele sabe o que faz!

 

Dica da Dra. Carolina V. B. Ferraz
CRMV-SP: 22.835





Deixe seu comentário